domingo, 30 de novembro de 2014

Kuchisake-onna


























Kuchisake-onna era uma mulher linda. Esposa de um samurai ciumento, violento e líder da vila onde viviam. Por sua beleza ela era cobiçada por vários homens da vila que apesar de serem submissos ao seu líder não resistiam aos encantos de Kuchisake-onna.

Um dia, seu marido juntou todos os guerreiros da vila e deu-lhes a noticia que partiriam para a guerra e que mesmo sendo vitoriosos iriam ficar muito tempo longe de casa.

Vários meses se passaram desde a partida de seu marido e Kuchisake-onna estava cada vez mais triste e depressiva, pois nem tinha certeza que o marido estava vivo. Até que ela conheceu um jovem samurai que não se juntou ao seu marido por ser jovem e não ter treino suficiente para a guerra, Kuchisake-onna o seduziu e passaram a ter um caso as escondidas.

A babá e o palhaço


















Susy chegou pontualmente às nove da noite na casa onde iria cuidar de duas crianças de três e cinco anos enquanto seus pais iriam a um jantar de negócios em uma cidade vizinha.


Depois de dar as explicações, o casal saiu da casa deixando Susy com as crianças que já haviam ido deitar-se, o que evitou que ela conhecesse as crianças ou seu quarto.


Algum tempo depois ela escutou choro de crianças no andar de cima onde ficavam os quartos e foi lá ver o que era. Chegando lá encontrou as duas meninas chorando muito.


“O que foi?” – perguntou Susy.


Aula de Anatomia
















Dr. Frank era professor de universidade, homem da ciência e cético a qualquer assunto relacionado à religião. “Se não esta provado pela ciência não existe”, dizia ele quando se via no meio de uma conversa sobre o tema.

Certo dia, saindo do seu carro quando chegou à universidade para sua aula noturna escutou uma voz:

“Dr. Frank?” – disse uma moça de uns 17 anos aproximando dele.
“Pois não?” – perguntou curioso para saber quem era aquela moça, definitivamente nenhuma de suas alunas, ele conhecia a todos por nome.

Enganando o diabo

























O homem senta em sua cadeira, acende um cigarro e olha a sua volta. O quarto estava imundo, as paredes que um dia foram brancas agora estavam de uma cor entre o bege e marrom, estavam também descascadas. O piso não podia ser visto, pois uma camada gosmenta de lama e sangue o cobria completamente. Os móveis eram poucos, uma cama, onde se encontrava o corpo de uma jovem em um estado que faria o estomago de qualquer pessoa normal virar ao avesso, um criado mudo de metal onde encontravam-se alguns instrumentos cirúrgicos e vidros marrons cujo o conteúdo não se pode dizer o que é. Um pequeno frigobar que ao abrir-se se mostrava cheio de órgãos humanos, possivelmente retirados da jovem morta na cama ou de alguma de suas outras vitimas. Um fogão velho que um dia foi azul, mas agora mostra somente a ferrugem adquirida com o tempo. Tinha uma panela preta e suja em cima que mais cedo serviu para cozinhar um daqueles órgãos e mais tarde outro. E por último uma pequena mesa onde o único adorno era o cinzeiro dourado, velho e amassado. Em uma das extremidades da mesa ficava uma cadeira onde o psicopata estava sentando dando tragos longos em seu cigarro. De trás da mesa uma janela de vidro tão sujo que não se podia ver o que havia lá fora.

Não acenda a luz




















Joyce e Sandra estudavam no quarto situado no campus da universidade aonde vinham morando por dois anos. A prova que encerraria o semestre seria no dia seguinte. Joyce era a mais estudiosa das duas sempre tirava notas boas e dedicava-se aos estudos a maior parte do seu tempo. Já Sandra era meio louca, era conhecida no campus por suas extravagâncias com a bebida e as drogas. Mesmo assim ela era inteligente e mantinha-se no curso com notas boas.

“Vamos à festa hoje Joyce?” – perguntou Sandra.

Pesadelos


















Minha tataravó morreu em uma manhã cinza de inverno. Havia algum tempo ela vinha reclamando de dores no peito, mas o médico pouco pode fazer para ajudá-la. A medicina naquela época ainda era muito precária, as pessoas tinham que confiar somente no olho clinico do médico. Fizeram o velório ali em sua casa como era de costume e a enterraram antes do anoitecer.

Meu tataravô desolado voltou para sua casa, a morte levara sua parceira de tantos anos e agora ele seria um solitário já que os filhos eram adultos, casados e cada um tinha sua própria vida. Já era de noite quando ele estava na cozinha, iluminada somente por um lampião e algumas velas acesas na mesa de jantar, tentando fazer algo para comer no fogão a lenha quando escutou minha tataravó chorando no quarto e chamando seu nome. Era um choro misturado com gemidos de medo e quando ela chamava seu nome ela gritava “Emiro, me ajuda”, e mais choro. Ele ficou petrificado no lugar por alguns minutos até que criou coragem, pegou o lampião e foi andando de vagar até o quarto.

A Menina do Bueiro


















Enquanto algumas garotas brincavam com seu corpo como se ela fosse uma boneca, Carmem pensava enquanto suas lagrimas escorriam pelo roto, “Por que elas fazem isso? Alguém me ajude”. Mas as impiedosas colegas de escola continuavam empurrando a menina e despejando palavrões vulgarizando sua pessoa.

“Sua CDF, é isso que você merece.” – gritava uma.

“Olha como ela é fraca, nem consegue se defender.” – gritou outra.

“Vamos jogar a esquisita naquele bueiro aberto, assim ela vai estar com seus familiares, ratos e baratas.” – disse uma delas com ar de perversidade apontando um bueiro aberto.

Árvore das Almas

























Por volta de 1845 em uma cidadezinha do interior de Minas Gerais, havia essa lenda sobre a árvore das almas. Tal árvore ficava em um bosque atrás da cidade, ela era enorme e oca. Tinha uma passagem imensa onde as pessoas podiam entrar dentro. 

Nessa época acreditava-se que a árvore era abrigo para centenas de almas de mulheres as quais a origem é desconhecida. Acreditava-se também que elas eram as guardiãs da cidade, mantinham os maus espíritos longe e ajudavam a cidade a prosperar. Uma vez por ano, na sexta-feira santa a meia noite, elas saiam da árvore para uma procissão pela cidade. Caminhavam por todas as ruas da cidade, cada uma com sua vela na mão dando sua benção. Os moradores por sua vez, em respeito às mulheres deveriam ficar dentro de casa, com as janelas e cortinas fechadas até que a procissão terminasse.

O Baile



















Era um sábado à noite… O baile iria começar às 23:00. Todos chiques, bem arrumados, vestidos para uma noite de gala. Mulheres lindas, homens charmosos.

Richard tinha ido ao baile sozinho. Não tinha namorada, apesar de ser muito bonito. No baile conheceu uma moça muito bonita que estava sozinha e procurava alguém com quem dançar. Richard dançou com ela a noite toda, e conversaram por muito tempo. Acabaram se apaixonando naquela noite, mas tudo só ficou na conversa e no romantismo. 

A criatura

Ele estava sentado sozinho em um banco de sua rua, apenas observando a falta de movimento. Já passava de meia noite e dez minutos quando então aconteceu.

Antes de tudo vamos retroceder um pouco na história. Antes de sair de casa ele teria discutido com sua mãe por um motivo desconhecido (talvez banal). Para não ficar por lá, saiu por aí à caminhar pelas ruas, isso até se cansar, e quando cansou-se, voltou à sua rua para sentar-se em um banco que costumava quase sempre ficar sentado, porém ele nunca tinha ido por ali naquele horário.


sábado, 29 de novembro de 2014

Triste

No interior de uma pequena cidade, existia um lugar triste. Um lugar triste e solitário. O lugar era um amontoado de cômodos brancos, que em vão tentava passar certo ar de tranquilidade.Na recepção, existia uma mulher loira, sorridente e educada, treinada para lidar com a atmosfera daquele lugar.

Ela sempre parecia feliz, sempre…

No entanto se você chegasse mais perto, se se aproximasse o bastante para observar seus olhos, você veria uma sombra crepuscular que dançava naquele semblante jovem e belo. A palavra para a sombra nos olhos dela? Medo.O mais sincero e doentio medo que você pode imaginar.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Malleus Maleficarum (O Martelo das Bruxas)




















Na lista dos livros mais infames da história, o Malleus Maleficarum (O Martelo das Bruxas), deve estar perto do Mein Kampf , de Hitler. Publicado em 1486, ele foi escrito por dois frades alemães, Heinrich Kramer e Jacob Sprenger, para desmascarar os argumentos de que a bruxaria não existe. Também foi criado para servir como um manual para a detecção, julgamento e punição de bruxas. Ele foi responsável pela onda de caça às bruxas que cobriu a Europa com o sangue de milhares de vítimas, a maioria mulheres.

Changelings
























Na Grã-Bretanha medieval, acreditava-se que as fadas podiam roubar uma criança e substituí-la por outra, um changeling , em seu lugar. Uma história muito interessante é a de um ferreiro, cujo filho, geralmente um rapaz saudável e alegre, caiu de repente em letargia, definhando tão rápido que todos pensavam que ele fosse morrer. Depois do menino estar nessa condição por um longo tempo, um velho aproximou-se do ferreiro para dizer–lhe que o rapaz  poderia ser um changeling.

Os presságios da morte de Carlos Magno


















O rei franco Carlos Magno foi coroado imperador do Sacro Império Romano, em 800 d.C. Nos últimos três anos de sua vida, de acordo com o seu biógrafo, Einhard, o Imperador foi atormentado por sinais e presságios sinistros de sua morte. Einhard nos fala de eclipses frequentes do Sol e da Lua e de uma mancha preta no Sol, que durou sete dias. Também houve tremores frequentes no palácio em Aix-la-Chapelle, e no dia da Ascensão, a galeria que ligava o palácio à basílica que Carlos Magno construiu, de repente, desmoronou. Outro dos projetos de Carlos Magno, uma ponte de madeira sobre o Rio Reno, em Mainz, que levou 10 anos para ser construída, foi acidentalmente incendiada e totalmente consumida pelo fogo em apenas três horas.

O mar celestial


Devemos essa história ao cronista inglês Gervase de Tilbury, que a incluiu em sua obra Otia Imperiala, escrita em torno de 1212 para seu patrono, o Sacro Imperador Romano Otão IV. Gervase declarou sua crença de que "o mar é mais alto do que a terra ", que "estava acima da nossa habitação... dentro ou no ar. " Essa ideia estava baseada em Gênesis 1, que fala de " águas acima do firmamento. "

"Fez, pois, Deus o firmamento, e dividiu as águas que estavam debaixo do firmamento das águas que estavam por cima do firmamento; e assim se fez.
Chamou Deus ao firmamento Céu. Houve tarde e houve manhã, dia segundo."
(Gênesis 1:7-8)

10 fotografias históricas (Os olhos são as janelas da alma)











"Os olhos são as janelas da alma" - esta frase tem sido atribuída a inúmeras figuras históricas diferentes. Na primeira fração de segundo que observamos alguém, o nosso olhar quase sempre se dirige diretamente para os olhos dessa pessoa,  em uma tentativa de descobrir quem ela é, e quais são as suas intenções. Os olhos transmitem verdades sobre um indivíduo e sobre a sua alma que não podem ser compreendidas por algo tão inadequado como a linguagem humana.

As fotografias abaixo são imagens históricas onde os olhos dizem tudo. São momentos retratando a humanidade no seu melhor e no seu pior:  alegria, ódio, medo e coragem. 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Um lugar para o mal viver














A ilha de Drangey, no Atlântico Norte, a cerca de uma hora de viagem de barco do norte da Islândia, é marcada por um penhasco enorme que se ergue a 168 metros acima do nível do mar. Este afloramento é o lar de milhares de aves marinhas. Na Idade Média, a ilha também era considerada o lar de de trolls e de outros seres malignos. Homens que escalavam os penhascos para caçar pássaros e apanhar ovos, muitas vezes caíam para a morte, porque suas cordas, seriam misteriosamente cortadas.

Estranha "premonição" via twitter


Christina Edkins era apenas uma jovem estudante de 16 anos, adorada por seus amigos e familiares, e vivia tranquilamente na cidade de Birmingham, Inglaterra. Mas em fevereiro desse ano, ela se sentiu preocupada e com medo ao perceber os movimentos suspeitos de um homem dentro do ônibus em que ela estava.

A estudante disse a seus amigos, através de um tweet, que um passageiro a fez sentir medo. Sua mensagem no Twitter dizia: “Este homem está me preocupando no ônibus…não para de se levantar e andar, e subir e descer as escadas, e sentando-se em lugares diferentes.”

sábado, 22 de novembro de 2014

Conheça as últimas palavras de 10 pessoas condenadas à morte
















Esse assunto é controverso e existem milhares de motivos pelos quais um país decide adotar ou não a pena de morte. No Brasil, como a gente sabe, não existe esse tipo de condenação, mas em outros países, como nos Estados Unidos, essa é uma realidade. Mas, polêmicas à parte, não é esse o motivo da matéria aqui apresentada.

Hoje você vai conferir algumas das últimas e mais intrigantes palavras ditas por prisioneiros condenados à morte em diversos lugares do mundo. Algumas delas, como você vai ver abaixo, realmente fazem refletir: será que todos eles eram realmente culpados?

Confira abaixo.

Fiona Anderson (A mãe perturbada)




















Uma mulher grávida afogou seus três filhos antes de escrever “eu te amo” em seus corpos e os colocar na cama. Depois, ela se matou juntamente com seu bebê, que estava prestes a nascer. Fiona Anderson, de 23 anos, morreu no dia 15 de abril do ano passado ao saltar de um prédio-garagem em Lowestoft, na Inglaterra.

O homem selvagem de Orford


















Ralph de Coggeshall, abade de um mosteiro em Essex, nos conta a história de alguns pescadores de Suffolk, que, em um certo dia de 1161, capturaram um homem selvagem nu em suas redes, perto da aldeia de Orford. O "tritão", como o chamaram, tinha uma longa barba desgrenhada e um peito muito peludo, mas sua cabeça era quase totalmente careca. A criatura foi levada para o Castelo de Orford, onde Bartolomeu de Glanville era governador. O estranho ser foi jogado na masmorra e torturado para fazê-lo falar. 


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Elizabeth Báthory


















Elizabeth Báthory nasceu no dia 7 de agosto de 1560 na Hungria. Essa jovem cresceu em uma época em que os turcos conquistaram a maior parte do território húngaro, que servia de campo de batalha entre os exércitos do Império Otomano e a Áustria dos Habsburgo. Vários autores consideram esse o motivo de seu grande sadismo. A família também tomou partido junto ao protestantismo, que era uma nova forma de oposição ao catolicismo romano.


Desde muito jovem a moça, muito bela, já havia sido prometida em casamento. Aos 11 anos de idade já era noiva de um conde local, mas aos 14 anos engravidou de um camponês e fugiu, para não complicar seu casamento. Não se sabe o fim que a moça teve, mas o casamento ocorreu no ano seguinte.


Luminosidade estranha no céu da Rússia


Nesses últimos dois dias surgiu na internet um vídeo de origem Russa de uma estranha luminosidade que surge no céu (algo que está acontecendo muito mundo afora), a explicação dada para tais fenômenos é que são "fragmentos de meteoros" que caem e causam tal clarão.

De qualquer maneira, boa parte dos internautas são ligados em uma teoria da conspiração, portanto cada um com sua teoria, os religiosos afirmam ser sinais da volta de Jesus Cristo, outros dizem ser OVNIS se revelando de uma maneira bem clara (literalmente), alguns mais céticos afirmam que são apenas testes nucleares, e ainda há os "profetas" que dizem que algo grande está para se revelar.

Enfim, já que não podemos tirar uma conclusão precisa, só nos resta analisar o vídeo. Confira-o a seguir.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Famosas lendas urbanas brasileiras (parte II)





















O que não falta por aí são lendas de terror, verídicas ou não, algumas são contadas tão frequentemente que se tornam "clássicas".


Confira algumas lendas famosas brasileiras logo abaixo.



Famosas lendas urbanas brasileiras


O que não falta por aí são lendas de terror, verídicas ou não, algumas são contadas tão frequentemente que se tornam "clássicas".

Confira algumas lendas famosas brasileiras logo abaixo.

Creeper da Semana (Creepypasta Brasil)



















O blog Creepypasta Brasil foi e é um dos meus passatempos na madrugada nos últimos dois anos, foi lá onde conheci muitas creepypastas amadoras, já que a maioria dos blogs postam as mesmas creepys e o CPBR é um dos poucos blogs que postam o que os leitores escrevem e enviam.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Malice in Wonderland (1982)

















Malice in Wonderland (1982) é um curta-metragem de animação independente americano, dirigido por Vince Collins, e com design gráfico por Miwako. Ele é vagamente baseado em Alice de Lewis Carroll no país das maravilhas, exibindo imagens psicodélicas e um estilo de animação "agressivo".

Um coelho branco a jato voa através da vulva de uma mulher em decúbito dorsal em uma das maravilhas, onde pessoas e objetos viram do avesso, alterando formas e identidades em grande velocidade. Eventos seguem aproximadamente Alice de Lewis Carroll no país das maravilhas. A Caterpillar, o Gato Risonho, o Chapeleiro Maluco e a Rainha de Copas fazem aparições, assim como Alice. Imagens e símbolos são frequentemente sexuais. No final, Alice diz: "Oh, eu tive um sonho tão curioso."

Não tem como definir o vídeo com palavras, confira abaixo.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

A rosa da canção

Ele percebia a curva do vento, as ondas sonoras que se aproximavam feito dedos e lhe entravam pelos ouvidos. Largava o futebol quando a mãe queria; deixava o riacho, os galhos da árvore, o estilingue. A mãe podia estar distante, mas o vento trazia a voz dela, e a curva dos ares puxava as orelhas do menino.

Santiago não se lembra de ter ouvido alguma vez as palavras de sua mãe: apenas aqueles sons melodiosos, antes que ele caísse num sono irrecusável. Acontecia sempre assim: ela conseguia imobilizar o filho onde ele estivesse - o garoto dormia na escola, no parque, no cinema; depois, acordava em casa, deitado entre lençóis. A mesma canção hipnótica, acompanhou sua infância como um vício, e Santiago habituou-se aos pesadelos de cada sono.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Stephen King afirma que religião é perigosa e prefere acreditar em Deus
















Stephen King, cujo próximo romance "Revival" apresenta um pastor metodista que condena sua fé após um acidente horrível, descreveu a religião organizada como "uma ferramenta muito perigosa que tem sido mal utilizada por um grande número de pessoas". Em uma rara e longa sessão de perguntas e respostas publicada na edição impressa da revista Rolling Stone, King explicou como ele "cresceu em uma igreja metodista", mas como "tinha dúvidas" sobre a religião organizada, desde que era uma criança.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Google Doodles de halloween














O google tem o costume de personalizar seu logo original em datas comemorativas relevantes, os chamados doodles.

E como em todo ano, o halloween sempre é homenageado por diversos logos personalizados, confira abaixo alguns doodles desse ano.