sexta-feira, 3 de julho de 2015

Issei Sagawa, o canibal crítico gastronômico

Issei Sagawa, Canibalismo, Canibal

Me deparei com este bizarro caso em um site que costumava acessar bastante na adolescência, o Isso é Bizarro, sempre trazendo um conteúdo original e digamos que "peculiar". Assim que terminei de ler a matéria, me dei o privilégio de reler, pois minha mente não processou bem os fatos, já vi muitos casos e relatos macabros, porém esse realmente mexeu com meu psicológico, me levando à questionar quais os limites da insanidade da mente humana.

Ao observar este adoentado japonês de um metro e meio, com mãos e pés pequenos, que manca ao caminhar, com uma voz débil, filho de uma rica família de Kobe, ninguém iria desconfiar que o mesmo fosse um terrível assassino, canibal e famoso necrófilo.

Uma celebridade no Japão, personagem televisivo, um crítico literário e (ironicamente) crítico gastronômico, comentarista ocasional das atrocidades de outros assassinos.

Nascido em Kobe há 60 anos, foi um menino débil, doente e introvertido. No segundo grau era obcecado pela atriz Grace Kelly, uma obsessão que durou até que foi à universidade. Foi o início de sua fascinação por pessoas ocidentais. Antes de que se desse conta, as mulheres altas, caucasiana e belas se converteram em sua fantasia canibal.

Rico que era, foi para Paris para continuar seus estudos de literatura, mas seus desejos antropófagos não pareciam aplacar-se. Cada noite levava uma prostituta para casa, tentava matá-la mas nunca se atreveu. Até 11 de junho de 1981 quando Sagawa convidou Renée Hartevelt de 25 anos, uma estudante holandesa, para jantar. Logo que ela chegou, disparou-a pelas costas no pescoço com um rifle que tinha comprado com o propósito de levar a cabo seu plano antropófago. A garota morreu no ato.

Quem quiser conferir algumas fotos da vítima clique nos links abaixo (não posto aqui pois o foco do blog Mortalha não é gore, não tenho restrições à isso, muitas pessoas gostam de terror, mas não de conteúdo digamos que forte, portanto caso queira ver as imagens do cadáver basta clicar nos links).

Isso era o que tinha sonhado durante 32 anos e agora por fim estava ocorrendo. Depois de assassiná-la praticou necrofilia com ela e depois começou com seu plano de devorá-la, começando com as coxas. Em entrevistas posteriores, disse que ficou surpreso ao observar que a gordura humana tinha cor semelhante ao milho. Durante os dois dias seguintes continuou comendo várias partes do cadáver que guardava em uma geladeira. Descreveu a carne humana como “suave e sem cheiro”, como o atum fresco. Um agradável e único sushi”.

Issei Sagawa, canibalismo, canibal

Depois de alguns dias, tentou se desfazer do cadáver afundando em um lago, mas foi pego em flagrante por várias testemunhas. Cinco dias depois foi preso pela polícia francesa, no entanto, uma análise psicológica declarou-o demente e impossibilitado para ser julgado;

Foi declarado culpado do homicídio e do banquete, ainda que os atenuantes de alienação mental e os transtornos severos de personalidade facilitaram seu translado a um hospital psiquiátrico de máxima segurança.

Issei Sagawa, canibalismo, canibal

Posteriormente foi deportado para seu país natal em parte graças a seu pai, um influente homem de negócios japonês. No entanto, a deportação não estabeleceu quanto tempo Sagawa deveria permanecer preso e foi liberado apenas quatro anos após o voraz crime.

Issei Sagawa beneficiou-se de um vazio legal. Ou seja, os peritos japoneses não consideravam que ele fosse um doente mental nem recomendavam interná-lo em um manicômio.

Abaixo você pode ver uma imagem do refrigerador de Sagawa, algo que percebo em casos de canibalismo é que a carne humana se assemelha muito com a carne de animais vendida em açougues (já o gosto não posso afirmar, nunca provei).

Issei Sagawa, carne humana, canibalismo

A justiça japonesa também não podia condená-lo por um ato de canibalismo doentio cometido no solo Francês.

Na atualidade ele vive só, solteiro, dedicado à literatura. Com frequência vai como convidado a programas de televisão, onde costuma dar sua opinião sobre assassinatos, receitas de cozinha etc.

Issei Sagawa, Canibal, Livro, Canibalismo

Sua história inspirou os Rolling Stones em 1983 a criar “Too Much Blood”.



Para mais detalhes sobre Issei Sawaga confira um documentário realizado especialmente para o mesmo.


Para finalizar a matéria eu queria fazer duas pergunta breves e diretas aos leitores.

Você já comeu carne humana? O que achou?


2 comentários:

  1. Ainda não, me apresenta a sua mãe. Quem sabe faço ela com batatas.
    Essa é a única resposta possível a uma pergunta tão escrota.
    Você tem sérios problemas e precisa de tratamento urgente.
    Vai se tratar idiota.

    ResponderExcluir
  2. Não se brinca com esse tipo de crime.vc deveria apagar imediatamente essa pergunta tola.vc está fazendo apologia a crime seu imbecil

    ResponderExcluir