quarta-feira, 31 de maio de 2017

Thelema

lei de thelema, símbolo, ocultismo, alesteir crowley, raul seixas


Há um certo tempo tenho vontade de trazer esse assunto para vocês, não sou um Thelemita, porém estudo tal filosofia ocultista e busco praticá-la em meu dia a dia, afinal, todos buscamos algo, isso tem muito a ver com a matéria de hoje.

Essa semana enquanto estudava alguns manuscritos em um site, pensei na possibilidade de compartilhar um pouco desse pensamento com vocês, assim, estarei absorvendo e compartilhando tal conhecimento, por isso preparem-se para um série de matérias aqui no blog, não apenas sobre Thelema, mas sobre o ocultismo no geral.

Com certeza muitos já ouviram falar da Lei de Thelema, principalmente por conta de um grande artista brasileiro, Raul Seixas, que fundou a famosa "Sociedade Alternativa" junto com o mago/escritor Paulo Coelho, para formar tal Sociedade, ambos se basearam nos ensinamentos de Alesteir Crowley.



Faze o que tu queres há de ser toda a Lei

O princípio Thelemico está dedicado aos altos propósitos de segurança da Liberdade do Indivíduo e de seu crescimento em Luz, Sabedoria, Compreensão, Conhecimento e Poder; mediante Beleza, Coragem e Sapiência;

A lei de Thelema está encravada no Livro da Lei, recebido e escrito por Aleister Crowley em 1904, e com este, uma mensagem de revolução do pensamento humano, da cultura e religião baseados no simples axioma: "Faze o que tu queres há de ser toda a Lei - Amor é a lei, amor sob vontade".


segunda-feira, 22 de maio de 2017

10 músicas inspiradas em serial killers

Lendo algumas creepypastas no blog de um amigo (Janderson T.S.) encontrei uma postagem bem interessante, principalmente pelo fato  de abordar duas coisas que nos encanta faz séculos, a música e a morte, nesta matéria vocês poderão conferir músicas de bandas cuja inspiração dos artistas para compor foi tirada de assassinos em série que chocaram o mundo, e entraram para a história de uma forma digamos que "mórbida".

10. Nick Cave and the Bad Seeds - "Jack the Ripper"

Assassino: Jack, o estripador.

jack the ripper, jack o estripador


 Jack é um dos serial killer mais famoso de todos os tempos, e claro, um assunto bem a cara do Nick Cave. A música de 1992 não é uma crônica sobre o serial killer, mas usaram sua imagem para descrever um relacionamento tóxico.

Música:


Friday the 13th: The Game finalmente ganha trailer e data de lançamento

Após ser adiado de 2016 para 2017, Friday 13th: The Game finalmente ganha sua data de estreia para 26 de maio.

O jogo baseado na franquia de filmes Sexta-Feira 13 colocará você no papel do ícone dos filmes de terror, Jason Voorhees, num multiplayer online que dará a um jogador o papel de Jason, enquanto os outros serão os adolescentes em perigo, que precisarão se esconder em ambientes escuros e sombrios se desejarem sobreviver. Além disso, o jogo contará com um modo singleplayer cujos detalhes ainda não foram revelados.

Jason é realmente hiperpoderoso no jogo, possuindo até mesmo a habilidade de teletransporte. Mas sendo geniosos, aqueles que controlam os adolescentes podem pregar peças no vilão e conseguir fugir, além de terem algumas armas à disposição.


A produtora Gun Media não tem poupado esforços para que o jogo realmente seja uma imersão aos títulos da franquia de filmes. Fazem parte da equipe de desenvolvedores: Sean Cunningham, diretor do primeiro filme da franquia, e o ator Kane Hodder, o próprio Jason. A trilha sonora fica por conta de Harry Manfredini, que também fez parte da franquia.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Häxan - A Bruxaria Através dos Tempos (1922)

satanismo, haxan, bruxaria, filmes surreais, filmes perturbadores


Häxan - A Feitiçaria Através dos Tempos é um filme mudo sueco-dinamarquês de 1922, escrito e dirigido por Benjamin Christensen. Baseado parcialmente no estudo de Christensen do Malleus Maleficarum (saiba mais clicando aqui), um guia alemão do século XV para inquisidores, Häxan é um estudo de como a superstição e a incompreensão de doenças e distúrbio mental poderiam levar para a histeria das caças às bruxas. O filme foi feito como um documentário mas contêm sequências dividas em partes, partes essas dramatizadas que são comparáveis para filmes de horror.

Com a recriação meticulosa de Christensen das cenas medievais e o longo período de produção, o filme foi o mais caro filme mudo escandinavo já feito, custando cerca de dois milhões de coroas suecas. Apesar de ganhar aclamação na Dinamarca e Suécia, o filme foi banido nos Estados Unidos e pesadamente censurado em outros países para o que foi considerado na época representações gráficas de tortura, nudez, e perversão sexual.